João Dado deixa reeleição para tentar cargo de deputado estadual em 2022

632

 

Dado tentará uma cadeira na Assembleia em 2022; O atual prefeito de Jales, Flá está fora; reeleição somente em Santa Fé do Sul (Foto reprodução – O Extra Net)

Os prefeitos de Votuporanga e Jales, João Dado (PSD) e Flá Prandi (DEM) respectivamente, confirmaram nas convenções que não disputarão a reeleição que lhes era garantida por lei. Em mandatos aquém das expectativas criadas no pleito de 2016, o futuro político de ambos em âmbito municipal deve se encerrar com a decisão sobre a não candidatura.

Aqui em Votuporanga João Dado, que fora alçado ao cargo pelo “grupão”, que domina a cena política local há pelo menos 20 anos, vai apoiar o candidato João Garcia, do Podemos.

A dupla Jorge Seba e Cabo Valter será a representante do grupo que tem como líderes o deputado estadual Carlão Pignatari e o ex-prefeito Júnior Marão. Seba foi candidato a prefeito em 1992, ficando em terceiro lugar com 6.066 votos.

Correndo por fora está o advogado Dr. Hery Kattwinkel, que aposta na condição de “terceira via” para derrubar os nomes apoiados pelos grupos antagonistas principais do pleito.

Situação diferente de Votuporanga vive Jales. Depois de uma eleição com candidatura única e um mandato que não cumpriu as expectativas, Flá Prandi saiu do cenário e abriu espaço para o empresário Luís Henrique Moreira (PSDB).

O tucano conta com o apoio maciço da comunidade jalesense e não deve ter dificuldades para derrotar Luís Especiato (PT) e Aílton Santana (PV).

O prefeito Ademir Maschio, em Santa Fé do Sul, será o único, ao lado de Pessuto (Fernandópolis), que tentará a reeleição nas quatro principais cidades da região – depois de Rio Preto. Por lá ele vai enfrentar Milaine Calazans, do Republicanos, Evandro Mura, do PSL – apoiado pelo deputado estadual Itamar Borges -, e Antônio Gilzai, do Patriotas.

Dado vai disputar uma cadeira na Assembleia de São Paulo em 2022

O Chefe de Gabinete da Prefeitura de Votuporanga, Cezinha Camargo, disse na manhã de ontem que o prefeito João Dado desistiu de participar da reeleição nessas eleições para tentar uma vaga como deputado estadual em São Paulo. Cezinha explica que Dado, que é o atual presidente do PSD Municipal, não é político de deixar mandato pela metade. Se por acaso ele se elegesse como prefeito de Votuporanga, teria que largar o mandato pela metade, daqui a dois anos. “O Dado tem um compromisso com o Gilberto Kassab, presidente nacional do partido que o vê como uma grande força política na região e que garantiu total apoio a sua candidatura”, disse Cesinha.

Dado já foi deputado federal antes de ser prefeito de Votuporanga e foi presidente da AFRESP (Associação dos Fiscais de Rendas do Estado de São Paulo) por 12 anos. Cesinha disse que a Associação já manifestou vontade de tê-lo de volta na diretoria da entidade. “O Dado conseguiu inúmeros benefícios para a categoria dos Fiscais de Renda quando foi presidente, mas a vontade do atual prefeito de Votuporanga é voltar a ser deputado”, conta Cezinha.