Espetáculos podem ser vistos na internet até o dia 31 de maio

283
Foto: Victor Natureza

As 12 peças infantis e os debates que fizeram parte da programação do ‘Festival de Janeiro – Edição Especial’ estão disponíveis, de forma gratuita.

Os espetáculos e os debates que fizeram parte da programação do “Festival de Janeiro – Edição Especial’, da Cia. Fábrica de Sonhos, de São José do Rio Preto/SP, estão disponíveis no site do festival até o dia 31 de maio deste ano.

Basta acessar o www.festivaldejaneiro.com e escolher entre as 12 peças infantis que constam no catálogo virtual do festival, formado por 11 companhias de teatro participantes de vários estados do Brasil. Do dia da abertura do festival até a terça-feira, dia 20, o site já ultrapassava a marca de mais de 5 mil espectadores.

“Foram 12 dias de teatro nas nossas multitelas. Cada um na sua casa. ‘O Festival de Janeiro – Edição Especial’ relembrou em nós, nesta pandemia, a diversidade das artes cênicas voltadas para as crianças. Várias linguagens – bonecos, musicais, fábulas, lendas, palhaçaria – nos surpreenderam e nos fizeram ter esperança. O teatro sempre sobrevive às intempéries e se adapta às linguagens e aos formatos. Foi uma edição realmente muito especial”, afirmou Dib Carneiro Neto, que é jornalista, dramaturgo, fundador do site “Pecinha é a Vovozinha” e um dos mais importantes críticos da produção teatral feita atualmente para crianças no Brasil.

A atriz, idealizadora do festival e da Cia. Fábrica de Sonhos, Drica Sanches, afirma que o principal objetivo do festival em levar teatro de qualidade, neste formato virtual, foi alcançado com sucesso. “O fazer teatro neste universo online é muito desafiador e algo que fomos experimentando juntos com os coletivos participantes. E essa troca de experiências e até mesmo de linguagens nos mostra o quanto o teatro e os artistas precisam se reinventar nos tempos atuais”, afirmou Drica.

Guido Caratori, que é ator, dramaturgo e diretor artístico da Cia. Fábrica de Sonhos foi o responsável pela mediação da maioria dos debates com a participação de Dib Carneiro Neto. “Ao assistir a todos os espetáculos e mediar a maioria dos debates da programação consegui ter um panorama geral de tudo que está sendo produzido para crianças em teatro a nível nacional. Isso sem contar a troca de experiências e vivências de como fazer teatro, principalmente neste momento de pandemia, em que se faz necessário chegar ao público desta maneira virtual”, afirmou Guido, que inclusive dividiu a curadoria do “Festival de Janeiro – Edição Especial” com o ator, diretor e dramaturgo Eduardo Catanozi.

“A curadoria do festival ficou muito satisfeita com o resultado destes 12 dias, principalmente por contar com esta diversidade de linguagens e também pela qualidade de como estes espetáculos chegaram até o público. Foi um desafio e exigiu dedicação de todos envolvidos no processo”, ressaltou.

O ator Cássio Correia, da Essaé Cia, da cidade de Joinville/SC, integrante do espetáculo “A última aventura de Gilgamesh”, que encerrou o festival no domingo, afirmou que foi enriquecedor estar em contato com outros grupos e com a produção do ‘Festival de Janeiro’, que foi impecável em toda a organização. “A possibilidade da conversa com o Dib Carneiro Neto, durante o debate, foi essencial para que possamos olhar para o trabalho com alguns apontamentos de uma visão de fora. Mesmo em tempo de pandemia e no formato virtual, podemos sair do Festival cheios de afeto”, afirmou o ator.

Já Fernanda Jannuzzelli, que é atriz, integrante da Damião e Cia. de Teatro, de Campinas/SP e interpretou ‘Begônia’ no espetáculo “Atenção, respeitável público”, falou sobe a importância da realização de festivais de teatro tanto para o público, como forma de entretenimento e acessibilidade cultural, quanto para os artistas.

“O Festival nos proporcionou encontros que são essenciais qualquer artista: o encontro com o público, com a apresentação de um dos nossos espetáculos e o encontro com os outros artistas que também participaram desta edição, com os quais pudemos trocar experiências e reflexões acerca do nosso ofício”, disse Fernanda.

O ator mamulengueiro Walter Cedro da Cia. Mamulengo Sem Fronteiras, de Brasília/DF, que esteve no elenco do espetáculo “O Romance do Pavão Misterioso”, ressaltou essa caraterística do Festival em proporcionar essa troca entre os coletivos participantes durante uma pandemia mundial. “‘O Festival de Janeiro’ já é um dos mais importantes do país. Além de levar arte, cultura e alegria para o público que assiste aos maravilhosos espetáculos, nesta edição, em especial, proporcionou de maneira online, momentos de trocas e harmonia para os fazedores de teatro do Brasil”, afirmou.

O “Festival de Janeiro – Edição Especial”, realizado pela Cia. Fábrica de Sonhos, fez questão de manter nas apresentações virtuais a tradução em libras. Afinal, deste o ano de 2017, o festival é pioneiro em Rio Preto a realizar a tradução simultânea em libras durante os espetáculos.

Sobre o projeto

O projeto foi contemplado com recursos do edital PROAC Expresso Lei Aldir Blanc Nº 40/2020 – Produção e realização de Festival de Cultura e Economia Criativa com apresentação online. O “Festival de Janeiro – Edição Especial” tem patrocínio do Riopreto Shopping, apoio do Sesi/SP, World Games e Levare Transportes e promoção da TV TEM.

A realização é da Cia. Fábrica de Sonhos, Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Estado da Cultura e Economia Criativa e Governo Federal, por meio do Ministério do Turismo e Secretaria Especial da Cultura.